web analytics

História do Blackjack

O blackjack tem uma história rica desde o seu surgimento na Europa até a popularização nos cassinos dos EUA.

Descubra a história do blackjack, conhecido como “vinte e um” no século XIV na Espanha e França – e entenda de que forma mineradores chamaram o jogo de “blackjack”, termo que persiste até hoje nos cassinos!

História do Blackjack: as origens

Origens do Blackjack (Miguel de Cervantes)Os historiadores ainda não confirmaram a origem precisa do blackjack. Por isso, relatos das origens do jogo podem variar conforme o autor.

Porém, um dos primeiros documentos escritos sobre o blackjack traz dados interessantes. Trata-se do livro Novelas Ejemplares do autor Miguel de Cervantes (o escritor espanhol do Dom Quixote, na imagem à esquerda).

Nesse livro, Cervantes apresenta dois personagens, Rinconete e Cortadillo, que são trapaceiros em um jogo chamado ventiuna, que significa “vinte e um” em espanhol.

O fato do jogo se chamar “vinte e um” já demonstra a semelhança com o blackjack. De acordo com Cervantes, o objetivo era chegar o mais próximo dos 21 pontos sem ultrapassar esse valor (assim como no blackjack atual). O autor também menciona que o às vale 1 ou 11 pontos.

Cervantes publicou esse livro em 1613, o que comprova que a história do blackjack data pelo menos do século XIV, já que Cervantes começou a escrever a obra em 1590.

Possíveis origens com os soldados romanos

Existe também a possibilidade da história do blackjack ser mais antiga ainda. Alguns historiadores relatam que os soldados romanos apostavam em um jogo com blocos de madeira numerados.

Esses blocos numerados serviriam como cartas e os romanos apostariam em partidas também com um limite numérico que não poderia ser ultrapassado.

Entretanto, além disso não existem muitas evidências de que o jogo seria parecido com o blackjack atual ou como o sistema de pontuação funcionaria. Por isso, essa origem é mais duvidosa do que o relato de Cervantes.

História do Blackjack nas cortes francesas

Blackjack nas cortes francesas
Palácio de Versalhes

Historiadores relatam que o jogo “vinte e um” (chamado vingt-et-un em francês) era jogado por nobres franceses durante o reinado de Luís XV (1715 – 1774).

O jogo pode ter chegado às cortes francesas a partir da Espanha, país onde há relato escrito que data o jogo no século XIV. Miguel Cervantes descreve o jogo ocorrendo em Sevilha, cidade do antigo reino de Castela.

Porém há também a possibilidade de os próprios franceses terem criado sua versão própria do blackjack a partir do jogo Chemin de Fer, uma variedade francesa do bacará.

O vingt-et-un possui uma regra igual ao blackjack de hoje: chegar o mais perto dos 21 pontos, mas sem estourar esse limite.

Mas, o vingt-et-un tinha algumas diferenças marcantes, como o fato do jogo ser realizado em rodadas para apostas e também somente o crupiê poderia dobrar a aposta.

A regra mais bizarra do jogo é que se o crupiê conseguisse uma vitória natural (obter exatamente 21 pontos), os participantes teriam que lhe pagar o triplo da aposta!

Apesar disso, o jogo se tornou um sucesso durante o reinado de Luís XIV e era inclusive jogado por seu amante!

História do Blackjack nos EUA

História do Blackjack nos EUA
Nova Orleães (1890)

Os franceses quando imigraram para os EUA levaram vários jogos de cassino com eles. O blackjack (ainda chamado vingt-et-un) foi um desses jogos, se popularizando em Nova Orleães.

Ao chegar na costa americana, o jogo foi chamado de twenty-one e como os jogos de azar ainda eram ilegais, havia muitos trapaceiros nos jogos. O jogo para muitos foi considerado uma forma “fácil” de vencer apostas e obter um lucro rápido.

Foi nessa época que surgiu a lenda da crupiê Eleanor Dumont, uma francesa que supostamente imigrou para os EUA e abriu um salão de jogos na Califórnia.

Segundo a lenda, Dumont era uma crupiê talentosa que desafiava qualquer um a vencer dela. Lendas espalharam sobre seu talento no jogo e apostadores ambiciosos viajavam até seu salão em Nevada City (Califórnia) só para apostar contra ela.

Como o nome do jogo mudou de twenty-one para blackjack

Existem hipóteses diferentes entre os historiadores para a origem do nome “blackjack”.

Ao chegar nos EUA, o jogo manteve seu nome original do espanhol/ francês (veintiuna/ vingt-et-un), apenas traduzido para o inglês em twenty-one.

Porém, com o passar do tempo, o jogo passou a ser chamado de “blackjack” e esse nome perdura até hoje.

O historiador francês Thierry Depaulis aponta que o nome foi dado por mineradores, que deram o nome ao bônus ofertado por um cassino para jogadores que tivessem uma mão com um às e uma carta de 10 pontos.

Blackjack era o termo que os mineradores usavam para se referir ao minério esfarelita, que tem uma aparência negra e cristalina. O nome já era usado pelos mineradores para um depósito em ouro ou prata e acabou sendo transferido pelos mineradores ao bônus do jogo.

Outra hipótese seria que os cassinos dariam bônus para mãos que tivessem um às de espadas e um valete. O valete é chamado de “jack” em inglês e como o às de espadas é preto, isso resultaria na criação do termo “blackjack” para o bônus.

O nome dado para o bônus posteriormente acabaria sendo o nome do jogo completo, com twenty-one caindo em desuso.

Popularização do Blackjack nos cassinos

Popularização do Blackjack nos cassinos
Las Vegas (1952)

Após a legalização dos jogos de azar nos EUA, o blackjack teve um boom de popularidade.

Os cassinos foram legalizados primeiramente no estado de Nevada dos EUA em 1931, o que fez com que Las Vegas se tornasse um meca para os cassinos. Las Vegas era uma cidade desértica empobrecida, mas teve uma ascensão econômica veloz graças à legalização.

Surgimento das estratégias de contar cartas

O blackjack rapidamente se tornou popular com os novos apostadores, pois começaram a circular estratégias para aumentar sua chance de vencer no jogo: era a estratégia de contar cartas, o que assustou muito os cassinos.

Alguns apostadores até escreveram livros, como a obra Beat the dealer (1962) do Edward O. Thorpe, que inclusive foi um best-seller do New York Times.

A popularização da estratégia de contagem de cartas fez com que os cassinos optassem por maneiras de impedir a prática. Uma das principais medidas adotadas foi usar mais de um barulho no jogo, o que dificulta a contagem.

Alguns cassinos até contratam supervisores, que ficam de olho nos jogos de blackjack e caso suspeitem que a contagem esteja acontecendo, podem até banir o apostador do cassino.

Devido a isso, a contagem é menos eficaz hoje do que era nos anos 30 e 40, décadas nas quais as estratégias ainda ficavam fora do radar dos cassinos.

Com as novas medidas, a contagem acabou se tornando um método empenhoso e difícil, que demanda anos de prática para ser eficaz – afinal com mais de um barulho, as probabilidades das cartas mudam drasticamente do que aquele descrito nos livros com apenas um baralho.